Entrar no sistema

Sono e desempenho no TAF

AprovaTAF - Testes Físicos para Concursos / Artigos  / Sono e desempenho no TAF

Sono e desempenho no TAF


Cada vez mais, observa-se concurseiros perdendo o sono por diversos motivos: trabalho noturno, trabalho até altas horas da noite, insônia, distúrbios do sono, e até mesmo, a diversão. Observamos que a perda do sono pode ser extremamente maléfica e ter efeitos desastrosos para você que está buscando passar nos testes físicos de um concurso.

Devido a antiga crença de que o sono afeta somente a mente, e não o corpo, resolvemos buscar na literatura científica o que os estudos dizem a respeito da privação do sono no desempenho esportivo, metabolismo e emagrecimento.

sono festa 2

Considerações Fisiológicas

As duas principais vias de sono que afetam a liberação de hormônios são a via do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e a via do Sistema Nervoso Autônomo (SNA).
A liberação de hormônios por outras glândulas endócrinas e hormônios pelo eixo hipotálamo-hipófise-adrenal é bastante influenciado pelo sono, desregulando alguns hormônios como o hormônio do crescimento (GH), o cortisol (hormônio do estresse), corticotropina, entre outros.

Outra via através da qual o sono é influenciado é pela regulação endócrina através da modulação da atividade do Sistema Nervoso Autônomo. Durante o sono profundo, a atividade do sistema nervoso simpático é diminuída e a atividade do sistema nervoso parassimpático é aumentada. A maioria dos órgãos endócrinos são sensíveis a mudanças nas atividades do SNA simpático e parassimpático. Por exemplo, perda de sono com a atividade simpática desregulada afetou a secreção de insulina, a liberação de leptina pelas células de gordura, um hormônio regulador da saciedade e do apetite, ocasionando o controle e a saciedade alimentar.

Sono e Obesidade

Nos últimos anos, as evidências de grandes estudos epidemiológicos realizados em vários países indicaram a existência de uma associação negativa entre a duração do sono e IMC. Ou seja, quem dorme menos tem maior índice de obesidade (Vioque et al; Shigueta et al.; Vorona et al).
A redução do sono tem um impacto no gasto energético, muito em parte pela associação a diminuição do exercício físico voluntário e pela menor taxa metabólica de repouso.
Um outro estudo mostrou que quem teve uma média de 5 horas de sono teve um aumento da perda de massa muscular e queda do metabolismo de gordura em repouso em comparação a quem dormiu normalmente (7 horas) (Nedeltcheva et al).

Sabemos que o excesso de gordura e a perda de massa muscular são fatores extremamente indesejáveis para os concurseiros.

Mas calma aí, não vá querer passar o dia inteiro na cama.

Outros estudos indicaram uma diminuição do IMC com o aumento da duração do sono.
Um estudo interessante mostrou a relação entre a duração do sono e IMC, onde foi constatado que o tempo médio gasto na cama foi significativamente associada com o IMC de uma forma em forma de U. Ou seja, quem dormiu pouco ou dormiu muito tinha alta relação com os índices de obesidade (Singh et al.)

sono

Sono e desempenho esportivo.

Um estudo de revisão das principais pesquisas mostrou forte relação entre privação de sono e queda em diversos parâmetros desportivos, como:

  • queda no tempo de reação,
  • atenção,
  • memória,
  • aumento da irritabilidade e desconcentração,
  • alterações metabólicas,
  • sinais de cansaço, náuseas,
  • dores articulares,
  • redução da troca de calor (menor sudorese).

Embora ainda não haja certo consenso de que a privação de sono afete o desempenho aeróbio, é importante observar que diversos estudos mostraram que a redução das horas de sono promove um aumento da percepção subjetiva do esforço. Com uma menor percepção do esforço, há uma redução do tempo para a fadiga e consequentemente diminuem o desempenho aeróbio.
Um estudo conduzido por Martin mostrou que sujeitos que foram privados de sono por 3 dias tiveram um efeito deletério de menor percepção de esforço com a perda de sono com efeitos posterior de menor tolerância ao exercício.
Mougin também relatou aqueles que tiveram seu sono interrompido por um período de três horas tiveram um menor consumo de oxigênio, frequência cardíaca maior e maior concentração de lactato durante o exercício intenso.

Conclusão

Claramente, a perda do sono não afeta somente o cérebro, mas também todo a parte física do corpo. Evidências recentes sugerem que a perda de sono, condição comum na sociedade moderna pode ser um fator de risco para doenças crônicas, incluindo a obesidade e diabetes.
Ou seja, uma boa noite de sono entre 7 e 8 horas parece proporcionar os melhores efeitos para a composição corporal e desempenho esportivo e intelectual.

Deseja ter LIBERDADE para treinar quando e onde quiser?

Deseja ter QUALIDADE nos treinos feitos por uma equipe de Mestres e Doutores em Educação Física?

Deseja ter ECONOMIA de tempo e dinheiro?

Clique aqui e veja qual curso deseja fazer?

Venha ser aprovado com  a Equipe AprovaTAF. Líder em treinamento para testes físicos de concursos.

A sua aprovação é a nossa missão!!!

 

Referências

-Knutson, KL, et al. The Metabolic Consequences of Sleep Deprivation. Sleep Med Rev. 2007; 11(3): 163–178.

-Cauter, EV et al. The Impact of Sleep Deprivation on Hormones and Metabolism. Neurology & Neurosurgery. 2005; 7.

-Vioque J, Torres A, Quiles J. Time spent watching television, sleep duration and obesity in adults living in Valencia, Spain. Int J Obes Relat Metab Disord 2000;24:1683–1688

-Shigeta H, Shigeta M, Nakazawa A, Nakamura N, Yoshikawa T. Lifestyle, obesity, and insulin resistance. Diabetes Care 2001;24:608

-Vorona R, Winn M, Babineau T, Eng B, Feldman H, Ware J. Overweight and Obese Patients in a Primary Care Population Report Less Sleep Than Patients With a Normal Body Mass Index. Arch Intern Med 2005;165:25–30

-Nedeltcheva A.V,et al.. Insufficient sleep undermines dietary efforts to reduce adiposity. Ann Intern Med., 5;153:435-41, 2010.

-Savis, JC. Professional Practice Sleep and Athletic Performance: Overview and Implications for Sport Psychology. The Sports Physichologist. TSP Volume 8, Issue 2, June, 2014.

-Knutson, KL, et al. The Metabolic Consequences of Sleep Deprivation. Sleep Med Rev. 2007; 11(3): 163–178.

-Dinges DF, Pack F, Williams K, et al. Cumulative sleepiness, mood disturbance, and psychomotor vigilance performance decrements during a week of sleep restricted to 4-5 hours per night. Sleep 1997;20:267-77.

-Carskadon MA, Dement WC. Cumulative effects of sleep restriction on daytime sleepiness. Psychophysiology 1981;18:107-13.

-Van Dongen HP, Maislin G, Mullington JM, Dinges DF. The cumulative cost of additional wakefulness: dose-response effects on neurobehavioral functions and sleep physiology from chronic sleep restriction and total sleep deprivation. Sleep 2003;26:117-26.

-Mougin F, Simon-Rigaud M, Davenne D, et al. Effects of sleep disturbances on subsequent physical performance. Eur J Appl Physiol Occup Physiol 1991;63:77-82.

-Waterhouse J, Atkinson G, Edwards B, Reilly T. The role of a short postlunch nap in improving cognitive, motor, and sprint performance in participants with partial sleep deprivation. J Sports Sci 2007;25:1557-66.

-Carskadon MA et al. Sleep and circadian rhythms in children and adolescents: relevance for athletic performance of young people. Clin Sports Med. 2005 Apr;24(2):319-28.

-Mougin F, Simon-Rigaud ML, Davenne D, Renaud A, Garnier A, Kantelip JP et al. Effects of sleep disturbances on subsequent physical performance. Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1991; 63: 77‑82.

-Martin BJ, Gaddis GM. Exercise after sleep deprivation. Med Sci Sports Exerc. 1981; 13: 220‑3

-Singh M, Drake CL, Roehrs T, Hudgel DW, Roth T. The association between obesity and short sleep duration: A population-based study. Journal of Clinical Sleep Medicine 2005;1:357–363